Portal Viver Mais



Internet: qual o limite para nossas crianças e adolescentes?

Por Portal Viver Mais em 12/11/16 16:42 - Atualizada em 12/01/17 11:45
(Foto: )
O uso da internet por nossos filhos é um assunto que gera muitas dúvidas e preocupações. Muitas de nós mães nos preocupamos com o conteúdo e esquecemos do tempo em que nossas crianças - e também adolescentes -ficam diante da internet. Quais os limites? Como estabelecer regras e acompanhar de perto o que as crianças fazem neste mundo fascinante da internet? Neste vídeo, Judinara Brás, psicóloga e educadora, dá ótimas dicas e sugestões de como devemos trabalhar esse limite em casa. Não esqueça de deixar seu comentário sobre como você lida com a questão da internet na sua casa, pois sua experiência é muito importante para nós. Assistam, curtam e compartilhem.

Pergunte ao especialista.

Comentários

AVISO - Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site. Se achar algo que viole os termos de uso, denuncie através do nosso formulário de contato.

Adriana Matos e Cristiane Melo


Somos Adriana Matos e Cristiane Melo. Mulheres apaixonadas pela vida, pela profissão que escolhemos, pela família e pelas filhas. Criamos o blog para inspirar as pessoas a viverem mais e melhor, de forma que tenham qualidade de vida e (re) aprendam a viver diariamente de maneira plena e saudável, cuidando de si e do outro, superando obstáculos, alimentando projetos, estabelecendo metas e realizando sonhos. saiba mais

Vídeos


Oi gente, estamos no Setembro Verde, mês de incentivo a doação de órgãos  e tecidos. Já presenciei alguns  momentos de desespero e de dor no Hospital Geral Clériston Andrade (HGCA) onde trabalho como assessora de comunicação. Sem dúvida perder um ente querido, um parente ou familiar e ter consciência de que os órgãos dessa pessoa podem salvar outras vidas, com toda certeza não é uma decisão fácil de ser tomada. Imagine você ver um familiar com batimentos cardíacos, o corpo ainda quente, tudo aparentemente bem, porém com diagnóstico de morte encefálica ou seja, morte cerebral. É nesse exato momento que a família faz valer a vontade do paciente que em vida declarou o desejo de ser um doador de órgãos.

Veja mais

Parceiros


Arquivos


Mais Lidas


Instagram


Desenvolvido por: